HackTalks | Blog de Ideias e Conexões de Impacto | por HackTown
HackTalks 2020

Como as cidades criativas vem reagindo aos efeitos da pandemia?

Carlos Henrique Vilela
Carlos Henrique Vilela 5min de leitura

Conheças ações criativas feitas nos espaços públicos para facilitar a volta da população às ruas. Vale a leitura.


Gastro Zone em Brno, na República Tcheca

Tempos de crise trazem enormes desafios. Por outro lado, são o ambiente perfeito para ideias criativas. E talvez seja este um dos principais caminhos para superar tudo isso, ou pelo menos para não se abater até que haja uma solução maior. E com as cidades não poderia ser diferente.

Diante dos desafios impostos pela pandemia do covid-19, e agora com o afrouxamento, pouco a pouco, do isolamento e as pessoas começando a sair de casa, as cidades criativas ao redor do mundo vem incentivando a criação de soluções criativas e simples, além de criar condições para que elas aconteçam. 

Este tipo de ação mais pontual em micro escala, parte do chamado Urbanismo Tático, é perfeito para cenários sem a possibilidade de grande planejamento ou investimento. São formas sutis e de fácil execução criadas para melhorar a qualidade de vida, promover a saúde e o bem estar da população, manter a economia rodando, e não deixar que a conexão entre pessoas e cidade se perca nesse período, afinal, são pontos essenciais para se viver bem e para o desenvolvimento de longo prazo de uma cidade que quer manter viva a sua criatividade

Confira abaixo cinco ações bem interessantes neste sentido:

1 – Marcações no chão

Com o afrouxamento gradativo do isolamento social, a ocupação dos espaços públicos de forma segura e consciente passa a ser um desafio. Por outro lado, ela é essencial, já que a saúde mental e a qualidade de vida de uma parte da população está bem abalada no momento, além da necessidade de retomada da economia local. E tudo isso tem levado a uma reabertura e um retorno, aos poucos, da população às ruas.

Diante disso, muitas cidades vem criando pequenas regras de utilização dos espaços públicos, e transmitindo tudo isso de forma sútil, didática e visual, com marcações no chão, e resultados bem interessantes.

A pequena cidade de Vicchio, na Itália, por exemplo, transformou sua praça principal em um grid com quadrados brancos pintados a uma distância de 1,8 metros um dos outro, em um projeto chamado StoDistante.

Vicchio, na Itália

Milão, também na Itália, está colocando em seus parques marcações coloridas em fibra de vidro, formando círculos onde uma ou duas pessoas podem sentar dentro. 

Milão, na Itália

Na mesma linha, Nova York começou a pintar círculos brancos com 1,8 metros de distância entre um e outro com o mesmo propósito, como na foto abaixo, do Domino Park, em Williamsburg, no Brooklyn.

Domino Park, em NYC

2 – Ciclovias pop-up

Duas das preocupações essenciais daquelas cidades que presam pela sua população são a questão da mobilidade, já que é crucial evitar o uso do transporte público, e a saúde das pessoas que, em casa, tendem a não se movimentar tanto.

Para promover uma forma segura e saudável de locomoção, diversas cidades mundo afora estão criando pistas provisórias para bicicletas, as chamadas ciclovias pop-up. A iniciativa nasceu em Bogotá e rapidamente foi se espalhando pelo mundo. Assim que a pandemia foi anunciada, a capital da Colômbia fechou a lateral de algumas avenidas para transito exclusivo de bicicletas, de forma simples e barata, começando com 80 km de ciclovia. Hoje, já são mais de 600 km cidade afora. 

Ciclovia pop-up em Bogotá, Colombia

3 – Espaços públicos para gastronomia

Para ajudar bares e restaurantes a retomarem a suas atividades de forma segura, algumas cidades ao redor do mundo estão permitindo que eles funcionem nos seus espaços públicos. Afinal, por mais que existam medidas de segurança para espaços fechados, muita gente ainda tem receio, o risco é mais alto do que em espaços abertos, além de que, para as cidades criativas, conscientes do papel da ocupação do espaço público e da a importância das atividades ao ar livre neste momento, é interessante que a população esteja nas ruas, e não nos ambientes fechados dos estabelecimentos. Tudo isso, obviamente, seguindo rigorosos protocolos de segurança.

Diante disso, inúmeras cidades, como Brno, na República Tcheca, Dallas, e Nova York, nos Estados Unidos, vem permitindo e criando condições e estrutura para que os estabelecimentos ofereçam seus serviços em espaços públicos, com mesas em praças, calçadas, parklets em vagas de estacionamento, e até mesmo com ruas fechadas exclusivamente para tal.

Gastro Zone em Brno, na República Tcheca
Parklet em Dallas, nos Estados Unidos
Mesas em vagas de estacionamento, em Nova York

4 – Arte na rua

Sair na rua durante a pandemia é uma situação desconfortável, e até mesmo tensa e arriscada, mas necessária em alguns momentos, seja por motivos práticos ou de bem estar. Algumas cidades criativas vem trabalhando para, de forma segura, tornar essa experiência um pouco mais agradável.

A cidade de Providence, nos Estados Unidos, vem encorajando e distribuindo material para que moradores que tem alguma relação com as artes, seja profissionalmente ou não, façam pinturas nas suas calçadas e ruas, seguindo uma série de protocolos de segurança. Além de tornar os trajetos mais prazerosos, a iniciativa também encoraja as pessoas se envolverem mais com as artes e com a criatividade, proporcionando saúde mental e qualidade de vida durante a pandemia.

Providence, nos Estados Unidos

Outro exemplo disso é o da cidade de Londres, que vem demarcando espaços com distanciamento seguro, mas de forma lúdica e artística, com a ajuda de artistas locais, como mostra a imagem abaixo.

Espaço público em Londres, na Inglaterra

Huddersfield, também na Inglaterra, convocou seus artistas locais para pintar mensagens positivas e de esperança pela cidade, como no exemplo abaixo, que diz “Better Days Are Coming”.

Painel em Huddersfield, na Inglaterra

5 – Espaços para prática de Yoga

A cidade de Toronto, no Canadá, instalou em locais públicos alguns domos geodésicos para prática de yoga, sempre devidamente higienizados após o uso. A iniciativa visa criar condições à prática de atividades ao ar livre que beneficiem a saúde física e mental da população durante o período em que talvez mais precisem deste tipo de cuidado.

Domos em Toronto, no Canadá

Em outras cidades, como Victoria, também no Canadá, soluções mais simples vem sendo adotadas com o mesmo propósito. A experiência, como mostra a imagem a abaixo, permite que as academias de yoga e outras práticas esportivas, com suas estruturas fechadas no momento, funcionem em parques e praças públicas. Os locais são sempre higienizados antes do uso e seguem protocolos rígidos.

Prática ao ar livre em Victoria, no Canadá

Carlos Henrique Vilela

Cofundador, Head de Curadoria do HackTown / Head de Marketing e Inovação na Leucotron / Head de conteúdo do HackTalks

Mais Posts

2 Comentarios

  1. Roque Luiz Dirschnabel

    7 de agosto de 2020 at 08:36

    Dicas importantes para uma melhor qualidade de vida neste período de pandemia.

    Responder
  2. Bianca

    21 de agosto de 2020 at 10:25

    Muito interessante e a própria população local pode ajudar. Adorei a matéria!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Orgulhosamente Desenvolvido por Trackdev