HackTalks | Blog de Ideias e Conexões de Impacto | por HackTown
HackTalks 2020

Conheça o ecossistema de startups que une café e tecnologia

Carlos Henrique Vilela
Carlos Henrique Vilela 4min de leitura

Como Seattle, considerada a “capital do café especial” nos Estados Unidos, vem se tornando o primeiro polo mundial de startups de tecnologia aplicada ao café. Confira.


Localizada no estado de Washington, nos EUA, a cidade de Seattle respira café. Além de ser berço da maior rede de cafeterias do mundo, a Starbucks, reúne o maior número de coffee shops independentes por metro quadrado no país e leva o segundo lugar em maior número de cafeterias por habitante, apenas atrás de San Francisco, na Califórnia.

Primeira loja da Rede Starbucks, em Seattle

O consumo de café é impressionante. E faz jus ao título de “capital do café especial”. Seattle supera qualquer outra cidade norte-americana nesse quesito, com um gasto médio de 36 dólares mensais em café por cada um dos seus pouco mais de 700 mil habitantes. E coleciona diversos títulos de America’s Top Coffee City pelas mais diversas publicações do ramo. 

Sede da Amazon, em Seattle

A tecnologia também é muito presente por lá. Seattle é nada menos do que a cidade onde nasceram e estão sediadas duas das maiores empresas de tecnologia do mundo: a Microsoft e a Amazon. E o resultado dessa mistura não poderia ser diferente. A cidade vem se tornando um polo de startups dedicadas à combinação entre tecnologia e café, as chamadas Coffee Techs

Conheça algumas das startups Coffee Tech de Seattle que vem se destacando:

Atomo Coffee

A Atomo Coffee desenvolve o que chama de café molecular. O produto contêm a mesma quantidade de cafeína e todos os elementos tradicionais de uma boa xícara de café, mas com uma diferença: a origem da bebida não é o grão do café. A proposta da empresa é, não só trazer uma maior variedade de sabores e possibilidades, mas também de oferecer uma opção que eles chamam de mais sustentável. A repercussão em relação à Atomo é enorme, resultando até no apelido de “a Tesla do café” por diversas publicações do ramo.

Bean Box

A Bean Box é um clube de assinatura de cafés que já conta com mais de 50 mil assinantes e levantou recentemente um investimento de 250 milhões de dólares. Sua diferença para os demais clubes de assinatura é o uso da inteligência artificial. O sistema seleciona, entre os blends possíveis, as opções que serão entregues com base em uma análise do perfil e das avaliações do assinante, aumentando com o tempo os acertos nas opções que mais vão agradar o cliente, mas também mantendo vivo o fator surpresa.

Bottomless

A Bottomless também é uma startup que usa a tecnologia para se diferenciar dos serviços tradicionais de assinaturas de café e, após participar do disputado programa de aceleração Y Combinator, recebeu um aporte recente de 2 milhões de dólares para se expandir. A ideia é manter o assinante sempre com café fresco em casa. Ao assinar o serviço, você recebe gratuitamente uma espécie de mini-balança conectada e, assim que o café estiver próximo de acabar, eles já providenciam o envio de um novo pacote.

Decafino

A Decafino criou um produto, também inovador, que descafeina o café direto na xícara. Semelhante a um saché de chá, ele é inserido na bebida, que tem a cafeina extraída em questão de minutos, em um processo que, segundo a empresa, é totalmente natural e livre de substâncias químicas.

Yave

A Yave utiliza blockchain para rastrear toda a cadeia do café, ajudando a enxergar os pontos do processo onde se pode ganhar mais eficiência, além de conectar o público final ao produtor dos grãos. A startup também oferece uma plataforma que permite pagamentos digitais automáticos e a gestão das transações de cada etapa, trazendo transparência também às questões contratuais do processo.

Onda Origins

A Onda Origins é uma spin-off de uma torra e cafeteria independente da cidade. A startup vende o café torrado, mas com uma diferença: combina blockchain e realidade virtual para que o consumidor possa não só ter informações sobre a origem do café, mas também visualizar a plantação e a fazenda de onde aquele café em específico foi colhido. A ideia é descomoditizar o café através das suas origens, e já vem trabalhando a tecnologia com fornecedores da Guatemala e disponibilizando os produtos nas suas lojas físicas e online. O objetivo, no entanto, vai além: é ter seus cafés nas prateleiras do varejo do mundo todo.

Joe Coffee App

O Joe Coffee App é um aplicativo para que coffee shops independentes possam competir com grandes redes, como a Starbucks, por exemplo, que tem mais de 130 lojas só em Seattle. A solução oferece um marketplace para as marcas, serviço de delivery, além da possibilidade de ser atendido sem fila e ganhar pontos e descontos específicos por meio de uma dinâmica de gamificação.

Carlos Henrique Vilela

Cofundador, Head de Curadoria do HackTown / Head de Marketing e Inovação na Leucotron / Head de conteúdo do HackTalks

Mais Posts

2 Comentarios

  1. Manuel Sobral

    23 de julho de 2020 at 10:18

    Ok

    Responder
  2. Anderson

    23 de julho de 2020 at 23:00

    Carlos, temos uma StartUP que utiliza IA e estatística para previsão do preço do café e auxilia Cooperativas e Agroindústrias e escolher a melhor estratégia de Hedge. Como podemos nos conectar a este e outros ecossistemas relacionados a café!?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Orgulhosamente Desenvolvido por Trackdev